Buscar
  • Ômar Souki

A conquista da prosperidade

Em uma passagem dos Evangelhos, Jesus nos ensina como conseguir as coisas que necessitamos: “Peçam, e lhes será dado. Busquem, e encontrarão. Batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta lhe será aberta” (Mateus 7, 7-8). Outra passagem contempla uma viúva insistente e um juiz iníquo. O juiz não temia a Deus nem ligava para as necessidades das pessoas. Mas, com a sua insistência, a viúva consegue ser atendida. O juiz, pensando em seu próprio interesse, achou melhor atender à viúva do que continuar a ser importunado por ela (Lucas 18, 1-8).

Com o avanço da neurociência ficou comprovado que essas atitudes, de fato, produzem resultados positivos. O nosso cérebro possui áreas distintas para a audição, para a visão e para as sensações. Ao mobilizarmos essas três dimensões—com um único propósito—aumentamos incrivelmente nossas possibilidades de obter aquilo que desejamos. Desde que nossos pedidos sejam congruentes com nossos valores (Bom para nós, para os outros e para a natureza).

Quando expressamos o que desejamos ativamos a área auditiva (Peçam, e lhes será dado.). Ao pedir estamos esclarecendo para nós e para os outros o que desejamos. A força do pedido aumenta, quando—além de verbalizá-lo—também o escrevemos. Quando fazemos imagens claras do que queremos ativamos a área visual (Busquem, e encontrarão). Ao procurarmos por alguma coisa, a imagem se acende em nosso cérebro. Por exemplo, ao sair de casa e procurar pela chave do carro, você não faz a imagem de um sapato ou de um relógio, mas a de uma chave. Finalmente, precisamos também mobilizar nossas sensações. Precisamos agir como se já tivéssemos conquistado aquilo que desejamos (Batam, e a porta lhes será aberta). Ao bater na porta, você se engaja por inteiro na ação e mobiliza suas emoções.

O cérebro inteiro deve ser solicitado para que aconteça o fluxo, isto é, o alinhamento dos neurônios em uma só direção. Com o fluxo conseguimos os melhores resultados com um mínimo de esforço. Faz-se muito e quanto mais se faz, mais se quer realizar. Entra aí, então, o paralelo da história da viúva insistente. É importante manter o nosso sistema nervoso direcionado para aquilo que desejamos, repetindo com frequência os pedidos, as buscas e as batidas na porta.

A conquista da prosperidade não é algo que vem de graça. Mas é algo possível. Desde que estejamos dispostos a cultivar uma disciplina implacável. A prosperidade nas várias dimensões da vida, isto é, emocional, espiritual, mental e física não é fácil. Exige foco, persistência e determinação! Mas os resultados são garantidos. A porta se abre e a viúva é, finalmente, atendida pelo juiz.


0 visualização

18981728092

Divinópolis, Minas Gerais - Brasil

©2020 por Eduardo Alvim